a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Protocolo do Sistema de ...

Quinta-feira , Ago 11 2022
41

Calendário da Elite Cup ...

Quinta-feira , Ago 11 2022
65

WSE Continental Cup será ...

Quarta-feira , Ago 10 2022
52

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
62209

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
31080

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
25221

Filipe Ribeiro renova ...

Quarta-feira , Mai 17 2017
1826

Pedro Nunes e o ...

Sexta-feira , Nov 07 2014
3207

3.ª D- Sul- Beja ...

Segunda-feira , Nov 23 2015
1949

Curso Unhas de Gel Profissional 25h ed

Associação-de-Educação-Física-e-Desportiva-Logo

A Associação Física de Torres Vedras, com equipas nos campeonatos nacionais de hóquei em patins e basquetebol, está com 2,4 milhões de euros de dívidas, incluindo salários em atraso, segundo uma auditoria apresentada em assembleia-geral, no final do passado mês de Outubro, a pedido da nova comissão Administrativa presidida por Sérgio Galvão.
Na auditoria, dada a conhecer aos sócios, concluiu-se que existiam 278 mil euros referentes a cinco a oito salários em atraso aos 160 colaboradores, 70 dos quais são trabalhadores contratados.
A esse valor, acrescem dívidas fiscais de quase 700 mil euros, 378 mil euros em atraso a fornecedores e empréstimos bancários no total de 1,4 milhões, tendo o último de 900 mil euros sido contraído em Dezembro de 2013.
A auditoria, aponta como causa a crise que se traduziu na "dificuldade das famílias em alocarem parte do seu orçamento em serviços secundários, como a prática desportiva e a aprendizagem", justificando assim as quedas "acentuadas" nas receitas da natação e sala de exercício".
Segundo a empresa auditora, as receitas têm vindo a cair 9% ao ano desde 2011, ano em que foram de 2,8 milhões, em contraponto com os 2,3 milhões alcançados em 2013, tendência que se perspectiva para a época desportiva 2014/2015, com uma previsão de 2,1 milhões de euros.
A redução de receitas não tem sido, contudo, acompanhada da redução de gastos, que são na ordem dos 2,3 milhões de euros.
A associação depara-se com um "futuro insustentável" ao registar um saldo negativo de mais de 300 mil euros, oriundo sobretudo das equipas profissionais de hóquei em patins (182 mil euros) e de basquetebol (165 mil euros).aefd
Com 59% dos gastos em pessoal, equivalente a mais de um milhão de euros, e 13% numa factura fixa de 300 mil euros em electricidade, água e gás, a Física vê-se obrigada a reduzir custos e gerar mais receitas, prioridades que vai traçar no orçamento para a actual época desportiva, o qual vai ser apresentado no final deste mês de Novembro mês aos sócios para ser votado.
No entanto e segundo aquilo que a Plurisports conseguiu apurar, neste momento os funcionários tem os ordenados em dia.
A actual Comissão Administrativa, após a apresentação da Auditoria, reformulou o quadro de competências nas várias valências do Clube, agilizando os processos, de forma a controlar melhor os custos. Sabemos também que no que toca ao Basquetebol e hóquei em patins, as modalidades mais representativas do Clube, as verbas disponibilizadas desceram drasticamente, o mesmo se passando nas outras modalidades.
Ao que conseguimos também apurar, a actual comissão administrativa, que tem no seu seio um elemento da Junta de Freguesia e um representante da Camara Municipal de Torres Vedras, está em vias de conseguir um empréstimo, que a juntar à alienação de algum património, como é referido na notícia divulgada pela Agência Lusa, deverá criar condições para a estilização da AE Física D.
Fundada em 1925, possui hóquei em patins, basquetebol, modalidades em que a respectiva equipa sénior milita nos campeonatos nacionais, ginástica e possui ainda aulas de educação musical, ginásio de manutenção e fisioterapia.
Na praia de Santa Cruz, gere um parque de campismo, é proprietária de um campo de tiro, que se encontra encerrado, e de uma discoteca, que decidiu pôr à venda, e é detentor da concessão da praia da Física e respectiva colónica balnear, que os sócios decidiram na Assembleia geral de Outubro, entregar a privados por uma contrapartida de 1,6 milhões de euros.

Fonte: Agencia Lusa