a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Xavi Malian aceitou o ...

Sábado , Mar 28 2020
11

Alteração Momentânea

Sábado , Mar 28 2020
169

Clubes apoiam federação ...

Sexta-feira , Mar 27 2020
153

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
58432

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
26324

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
20953

Taça de Portugal Hóquei ...

Terça-feira , Mai 21 2019
611

FPP- Constituição de ...

Segunda-feira , Jan 14 2019
330

João Carlos Santos ...

Domingo , Jun 21 2015
1009

interiorespluri unhas J

alejandro2

No final do encontro com o Sporting, que os 'leões' venceram nas grandes penalidades, conquistando assim a Taça CERS, o técnico do Réus, Alejandro Domínguez, demonstrou toda a insatisfação pela derrota que não premiou quem mais atacou.
“Se alguém jogou um hóquei ofensivo fomos nós. Não quero tirar mérito à vitória do Sporting e quem vence merece sempre a conquista, mas a receita utilizada para ganhar baseou-se na especulação. Nós utilizámos outra, buscando-os defensivamente no seu meio rinque, saindo rápido do nosso meio-campo defensivo quando tínhamos bola e sendo muito ofensivos. A verdade é que não tivemos a recompensa que merecíamos. Felicitações ao Sporting que jogou com as armas que tinha e fez o que estava ao seu alcance para vencer”, disse.
Acabou por ser um encontro longe de outros jogos do Réus, já que os contra-ataques foram muito poucos. O treinador argentino atribuiu mérito do Sporting. “Fazem o seu jogo ofensivo no fundo da pista e deixam sempre dois elementos mais recuados, acabando por se juntar um terceiro que nos anulou totalmente a possibilidade de contra-ataque. Ainda assim, decidimos fazer contra-ataques de igualdade numérica, nomeadamente de quatro contra quatro, mas claro muito mais difícil de ter sucesso”, explicou.
Apesar da boa dinâmica ofensiva, Alejandro Domínguez queria que esta se tivesse materializado em mais golos. “Os dois golos que sofremos são falta de sorte. Mas admito que possamos sofrer esses tentos; o que não podemos é, com a intensidade atacante com que jogamos, fazer apenas dois golos num jogo. Gosto muito do hóquei ofensivo e não daqueles encontros que terminam 1-1 ou 1-0. Assumo que podemos sofrer dois golos mas temos de marcar mais também”.
Jogando praticamente em casa – Réus fica apenas a cerca de 70 quilómetros de Igualada – o timoneiro da ‘terra da prata’ desvalorizou essa questão. “Custa-me mais perder pelo trabalho que temos realizado durante o ano. Dói-me saber que jogámos o suficiente para vencer e acabámos por não obter qualquer dividendo. Termino o meu ciclo no Réus no final desta época e gostaria de deixar uma herança em formato de título. Não foi possível mas houve muito trabalho feito com muitos jogadores que chegaram jovens e agora estão ao mais alto nível”, finalizou.

Fonte: Sporting CP