a c e b o o k
  • This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Elite Cup- “hat trick” ...

Sexta-feira , Set 20 2019
132

Elite Cup- Oliveirense ...

Sexta-feira , Set 20 2019
202

FC Porto entra com o ...

Sexta-feira , Set 20 2019
134

Hóquei fica mais pobre

Segunda-feira , Jul 30 2018
57283

Patinagem reconhecida ...

Segunda-feira , Nov 09 2015
25245

CM Feminino- Portugal ...

Sábado , Out 01 2016
20154

Hugo Barbosa e Bernardo ...

Quinta-feira , Jun 04 2015
1166

Luís Duarte já começou ...

Quinta-feira , Set 07 2017
1649

CN Sub15 Norte B: ...

Segunda-feira , Abr 03 2017
1041

interioresinteriores

26ItaliaCampea

A Itália teve que esperar até ao último segundo para saber se venceria um título que lhes fugia desde 1990. Valeu aos transalpinos uma Selecção Portuguesa que mostrou dignidade e muita atitude, frente à Espanha, sabendo que já não conseguiria vencer a prova. 

Depois de ter vencido a França no primeiro jogo do dia, numa partida onde esteve a perder até a meio do segundo período, os transalpinos fizeram a sua obrigação, venceram e esperaram que Portugal fosse simpático. E foi, não por causa dos lindos olhos dos Italianos, mas porque mostraram a quem quis ver que só por infortúnio não levantaram eles o troféu.
A Itália foi claramente a selecção mais feliz neste Europeu, mas mereceu, muito por culpa dos erros alheios, mas disso Massimo Mariotti e seus “ragazzi” não tiveram nada a haver.

27PedroGilEspanha

Espanha- 6 * Portugal- 6

Grande jogo de Portugal que merecia a vitória numa partida onde a formação de Luís Sénica mostrou em rinque o porquê de serem candidatos naturais em conquistar um troféu que nos foge desde 1998.
Entrada fulgurante de Portugal que fez nos primeiros minutos dois golos (João Rodrigues aos 3´ e Ricardo Barreiros aos 4 minutos) deixaram a formação espanhola a abanar por todos os lados.
Transições rápidas, uma atitude diferente e para melhor da equipa lusa que jogava como se de uma final tratasse, deixou “nuestros hermanos” atónicos, obrigando-os a ir atrás do prejuízo.
Intensidade de parte a parte e Portugal a saber explorar bem o espaço que a selecção espanhola ia dando fruto da subida das suas linhas.
Jordi Bargalló reduziu a cinco minutos do intervalo e Portugal ainda nesse minuto desperdiçou um LD por intermédio de Luís Viana. O resultado já não se alteraria até ao descanso.
A segunda metade valeu pelos golos e pela entrega das duas equipas. Portugal viu a Espanha empatar logo aos quatro minutos por Pedro Gil, mas Portugal estava ali para defender o orgulho e o prestígio luso. Diogo Rafael Jorge Silva aos 9 e 12 minutos respectivamente voltam a colocar Portugal na frente com dois golos de diferença. Mas a fúria espanhola é conhecida e temível, fez das suas no minuto seguinte com Xavi Costa e Pedro Gil a fazerem novamente o empate. Parecia sina, querermos vencer e a armada espanhola a contrariar os nossos desejos.
Foi uma fase louca com o jogo partido e rondar as duas balizas de forma célere. Luís Viana na marcação de um LD a castigar a 10.ª falta dos Espanhóis volta a colocar Portugal na frente por 5-4 faltavam então cinco minutos para o final da partida, e quando João Rodrigues poucos segundos depois aumentou para 6-4, parecia que desta é que era. Pura ilusão. A Espanha voltou à carga, e agora com tudo, chega ao empate já no último minuto e o suspeito dos golos foi mais uma vez Pedro Gil a fazer os dois golos que deram o empate na partida, faltavam menos de 20 segundos para o términus da mesma.
Os Italianos que roíam as unhas, à espera que os lusos segurassem aquele resultado, saltaram em euforia quando a mesa apitou para o final do jogo. Portugal que fez um jogo quase brilhante e ainda por cima em casa do seu adversário, merecia o triunfo. A exemplo do que acontecera em Paredes à dois anos, a equipa lusa viu a Espanha marcar nos segundos finais. Valeu desta feita que este empate não serviu de nada a Quim Paul e sus “muchachos” que depois 7 títulos consecutivos entregam o troféu à equipa mais improvável- a Itália, Portugal foi o mestre-de-cerimónias ao entregar em Bandeja de Ouro o Ceptro aos transalpinos. Como devem ter ficado a gostar de nós, estes Italianos.
Quanto a Portugal deixou hoje uma imagem mais dentro daquilo que ela vale, e ficou claro que a infelicidade demonstrada ontem nas bolas paradas acabou por ser fatal aos nossos desejos.

Árbitros: Alessandro da Prato (Itália), Alessandro Eccelsi (Itália) e Frank Schäfer (Alemanha)

Espanha: Xavier Malian (GR), Jordi Adroher, Marc Gual (1), Jordi Bargalló e Pedro Gil (4); Pablo Cancela, Xavi Costa (1), Xavi Barroso, Toni Baliu, Xavi Puigbiat (GR)
Treinador: Joaquim Pauls

Portugal: Ângelo Girão (GR), Valter Neves, Diogo Rafael "Chiquinho" (1), Ricardo Barreiros (1) e João Rodrigues (2); Gonçalo Alves, Hélder Nunes, Luís Viana (1), Jorge Silva (1), Jorge Correia (GR)
Treinador: Luís Sénica

  

 

28SuicaAlemanha

Suíça- 2 * Alemanha- 6

A Alemanha venceu esta tarde a selecção helvética por 6-2 garantindo a 4.ª posição no Europeu e deixando uma imagem que surpreendeu pela positiva neste torneio.
A equipa de Marc Berenbeck conseguiu por a formação italiana em sentido, com a equipa transalpina a chegar ao golo do triunfo a poucos segundos do final da partida. Frente à Suiça e perante os gauleses, triunfos claros e inequívocos deste seleccionado germânico a mostrar que se terá que ter em conta até porque é uma equipa muito jovem.
Hoje frente à equipa de Mateo de Ramon Vilella voltou a deixar explicito em campo a sua superioridade e ao intervalo vencia já por 3-1. A segunda metade confirmou esse ascende quase continuo na partida e consolidou o triunfo, que lhe garantiu como dissemos o quarto posto na classificação e sai desta 51.ª edição da prova com o sentimento de dever cumprindo.

Árbitros: Oscar Valverde (Espanha), Francisco Garcia (Espanha) e Miguel Guilherme (Portugal)

Suíça: Jean-Pierre Vizio (Gr), Patrick Greimel, Pascal Kissling (1), Joshua Imhof e Marzio Vanina; Kevin Gmür, Michel Matter (1), Andrea Grassi, Patrik Müller, Guillaume Oberson (GR)
Treinador: Mateo de Ramon Vilella

Alemanha - Patrick Glowka (GR), Lucas Karschau (2), Kevin Karschau (1), Liam Günter Hages e Sérgio Pereira (1); Kai Milewski (1), Robin Schulz (1), Jorge Fonseca, Max Hack, Philip Leyer (GR)
Treinador: Marc Berenbeck

 

29DiogoSantos

Os seniores do Clube Desportivo de Cucujães chegaram a acordo com Diogo Santos, para representar a equipa sénior do clube para a próxima temporada 2014/15. O jovem, de 18 anos (ainda júnior), que nasceu para o Hóquei em Patins, no clube Cucujanense, regressanado agora a "casa", depois de uma passagem pelos Juvenis e Juniores da UD Oliveirense. Agora no seu novo clube, Diogo Santos afirma que "na próxima época espero que o CD Cucujães consiga vitórias, para atingir os objetivos a que a equipa se propôs: a manutenção".

30Itália

Itália- 5 * França- 4

A Itália venceu esta tarde a equipa gaulesa por 5-4 numa partida onde os postes e a sorte esteve quase por inteiro do lado transalpino.
A França a voltar a mostrar um hóquei alegre e incisivo deixou a Itália à beira de um ataque de nervos em particular na primeira parte com a formação de Fabien Savreux a adiantar-se no marcador por intermédio de Cirilo Garcia obrigando o conjunto italiano a subir a linhas e a abrir espaços no seu meio rinque defensivo que foi sempre bem explorado pelos avançados gauleses.
Últimos cinco minutos deste primeiro tempo com emoção e golos com a equipa italiana a empatar aos 14 minutos, mas a resposta dos Franceses a ser célere por intermédio de Florent David no minuto seguinte. A França a segundos do intervalo voltava a marcar por Carlos de Benedetto e colocava os gauleses a vencer por 3-2.
Segunda metade com início demolidor dos italianos. Ainda assim foi a França que aumentou para 4-2 por Carlo de Benedetto logo aos treze segundos de jogo e deixou no ar a esperança de Portugal poder sonhar. Mas a sagacidade e pontaria dos transalpinos foi demolidora com David Montaran aos 2 minutos a reduzir para 3-4 e Massimo Tataranni a dar a volta ao resultado e a bisar aos 4 e 6 minutos deste segundo período.
Até final foi a França que começou a ssumir as despesas frente a uma equipa que a vencer fez aquilo que é excelente a fazer: defendeu bem fechou as linhas ao ataque gaulês e defendeu com unhas e denbtes esta magra vantagem. Conseguiu e assim é a Itália agora que espera que Portugal faça a gracinha de pelo menos empatar com a Espanha para poder fazer uma festa que lhes foge desde 1990 em Lodi.

Árbitros: Miguel Guilherme (Portugal), Rui Torres (Portugal) e Roland Eggimann (Suíça)

Itália: Leonardo Barozzi (GR), Federico Ambrosio, Davide Motaran (2), Massimo Tataranni (2)e Domenico Illuzzi; Leonardo Squeo; Alessandro Verona, Marco Pagnini (1), Mattia Cocco, Riccardo Gnata (GR)
Treinador: Massimo Mariotti

França: Xavier Tanguy (GR), Cirilo Garcia (1), Wilfried Roux, Carlo Di Benedetto (2) e Florent David (1); Mathieu Le Roux, Anthony Le Roux, Corentin Turluer, Corentin Le Polodec, Alan Audelin (GR)
Treinador: Fabien Savreux

Foto: Mariza Cattini

31APPorto

A AP Porto realizou hoje, dia 18 de julho 2014, os sorteios das competições distritais para a próxima temporada. A APP realizou os sorteios dos Benjamins, Escolares, Sub13, Sub15, Sub17, Sub20 e Seniores Masculinos (Taça APP César Fidalgo). Nos Benjamins inscreveram-se 17 equipas, com ACR Gulpilhares e FC Porto a inscreverem equipa A e B. Nos Escolares inscreveram-se 20 equipas, com AD Valongo e FC Porto a inscreverem 2 equipas, assim como nos Sub13, em que se inscreveram também 20 equipas, com FC Porto e Juventude Pacense a inscreverem equipa A e B. Nos Sub15, foram inscritas 19 equipas, nos Sub17, 18, enquanto nos Sub20, serão 17 equipas em prova. Na Taça APP “César Fidalgo” inscreveram-se 7 equipas. Ainda assim, a grande novidade aparece nos escalões Sub13, 15, 17 e 20, em que foram feitos grupos mais pequenos, com cabeças de série, alterando completamente o modelo competitivo anterior, havendo Série A, B, C e D, da qual passarão duas equipas, para no final se encontrar o Campeão Distrital de cada escalão, prometendo maior equilíbrio nos jogos realizados ao longo da temporada, bem como uma intensa luta pelos primeiros lugares, de acesso ao Campeonato Nacional.

 

32FCPorto

O FC Porto está de volta aos escalões mais baixos da formação no hóquei em patins, dando continuidade ao projeto iniciado há dois anos sob a denominação - Dragon Force. Os Dragões tinham iniciado um novo projeto, denominado de Dragon Force, com Filipe Santos a encabeçar a coordenação da formação, dos Benjamins até aos Sub17 e passados dois anos, já com um Título Nacional Sub15 conquistado nesta temporada, os Dragões ajustam o seu projeto, alterando o nome para FC Porto Dragon Force, com Filipe Santos a continuar na frente do mesmo, permitindo assim que haja ligação entre todas as equipas dos clube. Nas equipas inscritas na APP, para a próxima temporada, o FC Porto aparecerá com duas equipas nos Benjamins, duas equipas nos Escolares, duas equipas nos Infantis, uma de Iniciados, Juvenis e Juniores, sendo de longe, o clube que mais equipas inscreveu. Com um total de 10 equipas inscritas na Associação de Patinagem do Porto para a próxima temporada, os Dragões começam a dar mostras, de que a gestão de Filipe Santos aposta muito na formação de base de jovens atletas para o futuro, independentemente do nome escolhido.

33Espanha

Disputa-se hoje a 4.ª Jornada do Campeonato Europeu de Hóquei em Patins 2014, em Alcobendas – Madrid, com a Suíça a sair cilindrada por 1-13, na partida frente aos Espanhóis, que fechou o quarto dia de prova. A Espanha entrou muito forte na partida e Baliu abriu o marcador para a Espanha, ainda no 1.º minuto da partida, fazendo o 0-1. Com o decorrer da primeira metade do jogo, foi-se percebendo claramente que a Espanha não estava para brincadeiras, tomando toda a iniciativa. Aos 14’ Baliu aumenta para 2-0, num desvio dentro de área, notando-se grande dificuldade dos Suíços, para conseguirem acompanhar o ritmo imposto. Aos 11’ Adroher faz o 0-3, com um remate à entrada da área, e logo no minuto seguinte, Bargalló de penalti, não consegue aproveitar. Dois minutos depois, os Espanhóis enviam uma bola ao ferro, mas na sequência da jogada, Pedro Gil consegue aumentar para 0-4, para passado cerca de 30 segundos, Gual aumentar para 0-5. A Espanha estava muito forte e comandava a partida a sua bel-prazer, com Barroso a fazer o 0-6, aos 7’ minutos, para logo de seguida Cancela aumentar para 0-7. Conseguia-se perceber que os Suíços estavam em dificuldades e Bargalló aumenta para 0-8, num remate potentíssimo, a 5 minutos do descanso, fixando o resultado ao intervalo. Na segunda parte, a Espanha, com o objetivo de alcançar o 1.º lugar, não abrandou e apenas foram preciso 4 minutos para voltar a marcar, com Barroso a aumentar para 0-9, numa recarga a um penalti por ele falhado. Aqui, surge, contra a corrente, o golo Suíço, numa das poucas vezes que os Helvéticos conseguiram chegar à baliza Espanhola, com Kissling a reduzir para 1-9, mas apenas dois minutos depois Adroher volta a marcar, fazendo o 1-10, para logo na jogada seguinte Pedro Gil aumentar para 1-11, numa finta incrível do avançado Espanhol. Houve lugar a time-out, mas mesmo depois do mesmo a Espanha continuou a faturar, com Xavi Costa a fazer o 1-12 para a Espanha, a 9 minutos do final da partida. Finalmente, a 6’ do final, Gual volta a marcar, fechando o resultado final em 1-13 e colocando a Espanha novamente no 1.º lugar. Espanhóis e Italianos seguem com os mesmo pontos, mas com esta vitória a seleção Espanhola tem uma vantagem de 18 golos para a última jornada, restando vencer Portugal para conseguir revalidar o Título Europeu.

Pavilhão Desportivo Amaya Valdemoro

Suíça 1*13 Espanha

Suíça
Jean-Pierre Vizio (Gr), Kevin Gmur, Michel Matter, Andrea Grassi, Patrik Muller, Pascal Kissling (c), Joshua Imhof (1), Marzio Vanina, Guillaume Oberson (Gr).
Selecionador: Mateo De Ramon Vilella.

Espanha
Xavi Malián (GR), Pedro Gil (c) (3), Marc Gual (2), Jordi Bargalló (2), Jordi Adroher (1), Xavi Barroso (2), Xavi Costa (1), Ton Baliu (1), Pablo Cancela (1) e Xevi Puigbí (GR)
Selecionador: Quim Pauls

Faltas: 5-5

34Italia

Disputa-se hoje a 4.ª Jornada do Campeonato Europeu de Hóquei em Patins 2014, em Alcobendas – Madrid, com o jogo grande da jornada a colocar Portugal frente à Itália, na segunda partida do dia, na qual os Italianos foram mais fortes, vencendo por 2-3. O jogo começou equilibrado, com ambas a equipas a tentarem explorar o erro adversário, estendendo as posses de bola, chegando mesmo a haver situações em que era assinalada falta por jogo passivo tanto a Portugueses como Italianos. Apesar deste equilíbrio, Portugal aparece mais rematador e a correr mais riscos na procura do golo. A primeira grande situação de perigo pertenceu a João Rodrigues, com a bola a passar muito perto da baliza. Seguidamente Ambrosio faz falta grave sobre Jorge Silva, que dá direito a livre direto, para João Rodrigues bater a 12’ do intervalo, no entanto este falha a oportunidade de deixar Portugal na frente. Durante o power-play Portugal continua a carregar e a ameaçar a baliza Italiana, no entanto, Gnata (Gr) opôs-se sempre com grande classe, não deixando Portugal fazer golo. Os Portugueses voltaram a ter uma excelente oportunidade, numa falta de Mattia Cocco, dentro da área, mas Hélder Nunes não conseguiu cobrar o penalti, aos 6’ para o descanso. Ainda assim, Gonçalo Alves conseguiu encontrar caminho para o golo, fazendo o 1-0 e deixando Portugal em vantagem, a 4’ do fim do 1.º tempo. Aqui Portugal parecia controlar a partida, com Tataranni a simular falta e ser advertido com azul, dando lugar ao respetivo livre direto, mais uma vez desperdiçado por Hélder Nunes, a apenas 2’ do intervalo. Aqui sentiu-se um crescimento da Itália, que mesmo em inferioridade numérica, consegue fazer o 1-1, por Cocco a apenas 56’’ do términus da primeira parte e logo de seguida, passados 30'', os Italianos voltam a marcar, com Federico Ambrosio a cobrar um penalti cometido por Gonçalo Alves, que o Italiano aproveitou de forma exímia. No início da segunda parte, Portugal comete a 10.ª falta, mas na conversão do livre direto, Ambrosio não consegue bater Girão (Gr). Portugal continuava a assumir as despesas do jogo, mas a Itália continuava a criar muito perigo. A 11’ do final a Itália dispôs de novo penalti, mas Tataranni não foi capaz de converter. Passados dois minutos, Ambrosio faz falta grave sobre Diogo Rafael, sendo advertido com o cartão azul, mas Valter Neves, não conseguiu converter o respetivo livre direto, nem mesmo João Rodrigues na recarga, conseguiu bater Gnata (Gr), que esteve mais uma vez em grande plano. Portugal continuava a tentar recuperar e em vantagem numérica, fruto do azul a Ambrosio, João Rodrigues, consegue fazer o 2-2, relançando a partida a 8’ do final. Ainda assim, estava escrito que seria a Itália a vencer e Gonçalo Alves comete falta grave, a 6’ minutos do final, sendo admoestado com o respetivo cartão azul. Na cobrança do livre direto, Cocco não desperdiçou, fazendo o 2-3 e dando uma preciosa vantagem aos Transalpinos. A 2’ do final, Portugal ainda teve uma oportunidade soberana, num livre direto a castigar a 15.ª falta da equipa Italiana, mas Gnata (Gr) levou novamente a melhor, não deixando Valter Neves empatar a partida. Percebia-se que o fim estava próximo e Portugal, a tentar o tudo por tudo, acabou por cometer a 15.ª falta, já nos instantes finais, mas Motaran não conseguiu bater Girão. Ainda assim estava encontrado o vencedor e a Itália, com este resultado deu um passo de gigante rumo à vitória no Campeonato Europeu de Alcobendas.

Pavilhão Desportivo Amaya Valdemoro

Portugal 2*3 Itália

Portugal
Ângelo Girão (Gr), Valter Neves, Gonçalo Alves (1), Diogo Rafael, Hélder Nunes, Luís Viana, Ricardo Barreiros, Jorge Silva, João Rodrigues (1), Jorge Correia.
Selecionador: Luís Sénica.

Itália
Leonardo Barozzi (Gr), Davide Motaran, Leonardo Squeo, Federico Ambrosio (1), Massimo Tataranni, Domenico Illuzzi, Alessandro Verona, Marco Pagnini, Mattia Cocco (2), Riccardo Gnata (Gr).
Selecionador: Massimo Mariotti.

Faltas: 15-10

35Alemanha

Decorre hoje a 4.ª Jornada do Campeonato Europeu de Hóquei em Patins 2014, em Alcobendas – Madrid, com a França a perder com a Alemanha por 1-4, na primeira partida do dia. A partida começou equilibrada, com a França a assumir as despesas do jogo, com maior posse de bola, enquanto a Alemanha ia defendendo, sempre compacta, explorando o avanço da França no terreno. À semelhança de ontem, os Alemães começaram na frente e logo aos 17' para o intervalo, Kevin Karschau fez o 0-1, deixando a Alemanha em vantagem. A história repetia-se e a França ia construindo e falhando ocasiões de golo, com a Alemanha a aproveitar para chegar ao golo, por Karschau, que bisou e aumentou para 0-2, a 13' do intervalo. A França tentava responder, mas num novo contra-ataque Alemão, o jogador da Alemanha é travado em falta na área Francesa, com Robin Schulz a não perdoar, na cobrança do penalti e a fazer o 0-3, deixando a Alemanha com uma excelente vantagem, a 11 minutos do descanso. Apesar das contrariedades, a França não baixou os braços e logo na jogada seguinte, Cirilo Garcia é travado em falta dentro da área. Na cobrança do respetivo penalti, o jogador Francês não foi capaz de bater Patrick Glowka (Gr), que segurou a vantagem. A França ganhou aqui algum alento e acabou por conseguir reduzir, a 8 minutos do intervalo, por intermédio de Wilfried Roux, que num golo de belo efeito, fez 1-3, resultado com que se chegou ao intervalo. A segunda parte começou com as equipas a tentarem prolongar a posse de bola no ataque, mas os guarda-redes, que estiveram sempre em bom plano, iam respondendo à altura e a Alemanha ia gerindo a vantagem, adiando ao máximo a 10.ª falta. A dita falta surgiu a 14 minutos do final, dando lugar ao consequente livre direto, que Carlo Di Benedetto tentou converter, mas Patrick Glowka (Gr) voltou a negar o golo. Além desta, o guarda-redes Germânico, evitou muitas outras situações, não permitindo que a França conseguisse reduzir a desvantagem e mesmo a dois minutos do final, a França ainda dispôs de uma oportunidade para reduzir, num livre direto a castigar a 15.ª falta Alemã, mas Mathieu Le Roux não foi capaz de fazer golo e na sequência do lance, dois jogadores Franceses acabaram excluídos da partida, com a Alemanha a aproveitar para aumentar a vantagem para 1-4, já nos últimos segundos da partida, conseguindo assim a sua primeira vitória na competição.

Pavilhão Desportivo Amaya Valdemoro

França 1*4 Alemanha

França
Alan Audelin (GR), Mathieu Le Roux, Anthony Le Roux, , Florent David, Carlo Di Benedetto; Wilfried Roux (1), Cirilo Garcia (c), Corentin Turluer, Corentin Le Polodec, Xavier Tanguy (GR).
Selecionador: Fabien Savreux.

Alemanha
Patrick Glowka (GR) Max Hack, Lucas Karschau Kevin Karschau (c) (2), Liam Hages (1), Robin Schulz (1), Jorge Fonseca, Kai Milewski, Sérgio Pereira e Philipp Leyer (GR).
Selecionador: Marc Berenbeck.

Faltas: 10-15