a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Hélder Nunes- “O ...

terça , maio 21 2019
72

Jordi Adroher- “encarar ...

terça , maio 21 2019
78

Joca Ferreira regressa ...

terça , maio 21 2019
469

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
56707

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
24658

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
19697

1º Centro de Treino da ...

quinta , Mar. 12 2015
1268

Jorge Coutinho - Valença ...

quarta , Set. 20 2017
587

Jorge Oliveira de ...

terça , Set. 11 2018
643

interiores

11218975 1877739275785188 6287690048956623374 n

Na sequência de um processo movido pelo CART, contra a empresa que procedeu à colocação do novo piso no pavilhão da coletividade taipense, o tribunal ordenou uma peritagem ao local que se realizou esta semana.
A Direção do CART moveu um processo contra a empresa Parkeep, responsável pela colocação do novo piso de madeira no seu pavilhão, alegando que a obra apresenta “grandes defeitos” ao ponto de já ter levado a coletividade taipense a “perder” a realização de uma prova de patinagem artística e a colocar em causa o normal desenrolar dos jogos de hóquei, fruto da irregularidade do piso, o que dificulta o domínio da bola e a patinagem.
Depois de numa primeira audiência, para um possível entendimento, as partes não terem chegado a acordo, o tribunal ordenou uma peritagem ao piso do pavilhão, a realizar por três peritos. Um indicado pelo próprio tribunal e os restantes por indicação de cada uma das partes envolvidas no processo.
Tal diligência decorreu no passado dia 18 de janeiro entre as 9:30h e 12h, com inspeção à obra no pavilhão do CART e ser acompanhada pelo presidente Lima Pereira, pela Vice-Presidente Maria Lopes e por Emanuel Antunes, advogado do CART. A empresa responsável pela colocação do referido piso fez-se representar por João Paulo Fiúza e pelo advogado da empresa.
No final da peritagem, o presidente do CART tentou sensibilizar os técnicos para a necessidade de serem céleres na elaboração do respetivo relatório, para que o processo possa ser resolvido dentro da maior brevidade possível. “Ainda não se conhecem dados sobre a peritagem. No entanto, a expectativa da Direção do CART é ver-lhe reconhecida a razão no caso e que a empresa seja responsabilizada pelos defeitos do piso”, disse Lima Pereira a este propósito.

Fonte / Foto - www.reflexodigital.com

workshops para rodapé Noticias NailArt