a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Ricardo Ramos " Piolho " ...

segunda , maio 20 2019
503

Sétima renovação no HC ...

segunda , maio 20 2019
72

Vão seis as renovações ...

segunda , maio 20 2019
41

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
56700

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
24652

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
19691

Renato Garrido na ...

quinta , Jan. 11 2018
591

LE- Derrota ao cair do ...

domingo , Nov. 18 2018
256

Marc Gual vai cumprir ...

sábado , Abr. 07 2018
442

MNQ Q

cdb murches

CD Boliqueime - GRF Murches 8-6

Numa jornada em que se defrontavam quatro dos cinco primeiros classificados, os jogos poderiam ter cariz decisivo na classificação final. Em Boliqueime jogavam CDB e Murches, separados por quatro pontos. Em Cascais, o GD Sesimbra tentava não perder terreno. As equipas do Algarve e da vila piscatória venceram e mantiveram o 2º e 3º posto, com um ponto de vantagem para o CDB.
Antevia-se um jogo muito equilibrado e disputado no Pavilhão de Boliqueime. O Boliqueime seguia no segundo posto, com o Murches e o Sesimbra a espreitarem uma escorregadela. O jogo começou de feição para a equipa algarvia, já que Pedro Silva inaugurou o marcador no primeiro lance de perigo. Num remate de fora da área a bola entrou junto ao poste, com muitas responsabilidades do guardião contrário. A vencer, o Boliqueime talvez se tenha tranquilizado demasiado e deixou o adversário ter a iniciativa de jogo. O Murches, com bons executantes, pegou nas rédeas da partida e passou a ser mais perigoso. A melhor fase da equipa forasteira foi acompanhada de golos, que resultaram na cambalhota no marcador. Aproveitando bem as falhas defensivas da formação da casa, o Murches fez três golos (João Capitolino-2 e Rafael Rocha). O empate surgiu num remate à entrada da área, o 1-2 numa situação dentro da área e o 1-3 após a marcação de uma grande penalidade bem ganha pelo avançado da linha. Foi necessária a entrada fulgurante de Rafael Miguel para o encontro ganhar nova emoção. Em dois contra ataques, o avançado desferiu dois remates indefensáveis e empatou o jogo em poucos segundos. Estava relançada a partida e as equipas não desarmavam. Os ataques eram sucessivos e o jogo estava rápido. Antes do intervalo foi o Murches quem se adiantou, aproveitando uma desatenção incrível na nossa área, onde Gonçalo Reis entrou e fez o 3-4.
Depois de uma primeira parte intensa, o público ansiava por um segundo tempo do mesmo nível. A equipa de Murches, a vencer, entrou com as suas linhas um pouco mais baixas e o CDB tentava chegar ao empate. Com uma defesa mais fechada, o adversário dificultava o trabalho ao Boliqueime e apostava em contra ataques rápidos. Nessa fase, Bruno Francisco, com boas intervenções, não deixava que o CDB perdesse o comboio do resultado. Após 10 minutos de incerteza, Márcio Aldeagas penetrou pela defesa contrária, ultrapassando vários adversários e colocou a bola fora do alcance do guarda-redes. Mais um golo de levantar as bancadas, que dava empate a quatro golos. Com o empate, o CDB subiu de produção. O Murches saiu do seu meio campo, pressionou mais e deixou mais espaço para a criatividade dos jogadores algarvios. Márcio Aldeagas bisou, Miguel Cavaco também fez o gosto ao stick e o resultado passou para 6-4. A necessitar de marcar, o Murches intensificou a sua pressão e criou boas situações, bem defendidas pela formação do Boliqueime e por Bruno Francisco. Com maior intensidade, a equipa adversária também foi fazendo mais faltas e chegou à 10ª. Márcio Aldeagas, chamado a converter, não vacilou e fez o 7-4. Faltavam ainda mais de 10 minutos para jogar e o resultado não estava fechado. Nesse momento, a nossa equipa beneficiou de uma boa organização defensiva, tempos de ataque mais longos e algum descontrole emocional por parte do adversário, que abusou das tentativas de simulação e alguma pressão sobre o árbitro da partida. A pouco mais de 7 minutos para o término do encontro, o técnico Luís Adrião pediu um desconto de tempo, tentando alterar o rumo da partida, o que resultou. No livre indirecto de reatamento, o Murches faz o 7-5, num remate forte de Rafa Rocha. Ainda o CDB não estava refeito do tento, quando no minuto seguinte o capitão do Murches faz o 7-6. O resultado estava novamente em aberto e o Murches acreditava novamente. No entanto o Boliqueime não entrou em loucuras e pausou o seu jogo, mesmo sabendo que o resultado não estava fechado. A equipa de Cascais é que não desarmava e tentava chegar ao empate de todas as formas, algumas delas prejudiciais. Dois cartões azuis desnecessários deitaram tudo a perder para a equipa visitante, já que um deles deu direito a um livre directo para o CDB. Márcio Aldeagas voltou à marca de livre e completou o seu poker, fechando o marcador em 8-6. A partida terminava com a formação de António Ramos a ganhar 3 pontos a um dos seus adversários directos e mantinha o segundo lugar, que dá direito a participar na liguilha de acesso à 2ª Divisão.

Fonte / Foto – CD Boliqueime

workshops para rodapé Noticias DepilaçãoaLinha