a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Entrevistas

À conversa com Sergi ...
SergiPunset
Foto CS Candelária - Serig Punset Estivemos à conversa ...
Ler
À conversa com João ...
JoaolealGulpilhares
Foto Facebook ACD Gulpilhares Estivemos à conversa com ...
Ler
À conversa com Miguel ...
MiguelFreitas
Miguel Freitas esteve à conversa com a Plurisports e falou ...
Ler
À conversa com Diogo ...
DiogoFernandes
Estivemos à conversa com o jovem guarda-redes Diogo ...
Ler
À conversa com André Gil
AndreGilFisica
Estivemos à conversa com o treinador da AE Física, André ...
Ler
À Conversa com João Costa
João Costa
João Costa esteve à conversa com a Plurisports e falou da ...
Ler
  • Hot
  • Top
  • Outras

Edo Boch entrevistado ...

segunda , Jan. 22 2018
4

Classificação final dos ...

segunda , Jan. 22 2018
12

Campeonatos Regionais da ...

segunda , Jan. 22 2018
12

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
22691

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
18045

Saiba quais os 10 ...

sexta , Ago. 19 2016
13612

Marco Afonso reforça ...

sexta , Jul. 21 2017
944

Convocatória Seleção ...

segunda , Dez. 01 2014
999

I Supercup Plurisports

segunda , Jan. 05 2015
3030

Portucale

carlosmartins1

Carlos Martins, ex-internacional português que iniciou a carreira de treinador no Mundial-2017, na China, ao serviço de Moçambique, está disponível para continuar a trabalhar com a seleção de hóquei em patins.

A primeira experiência de Carlos Martins enquanto treinador correu bem, ele que conta com passagens por Benfica e Sporting, uma vez que conseguiu manter Moçambique ‘vivo’ no Grupo A do Campeonato do Mundo e, entretanto, manifestou vontade para continuar a apoiar o hóquei moçambicano.
«Serei sempre o braço direito de Moçambique. Pedro Nunes será o selecionador até que a federação queira e acho que deve querer…, porque tem uma pérola em mãos. No que me diz respeito, estarei sempre disponível», disse.
Carlos Martins afirmou, depois, que o grupo de jogadores com quem trabalhou dava garantias de um Mundial "mais bem-sucedido".
«Moçambique poderia ter ido mais longe no Mundial. Penso, aliás, que podia ter ficado dois lugares acima. Foram criadas expetativas nesse sentido», frisou.
No próximo Mundial, em Barcelona (Espanha), em 2019, acredita que os hoquistas, que apelidou de «bravos», têm tudo «para superar o oitavo lugar alcançado na China».

Fonte / Foto – Jornal “A Bola”

workshops para rodapé Noticias AutoEpilação