a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Sorteio da Fase 2 do ...

segunda , Jan. 17 2022
0

1.ª D- Resumo da AD ...

segunda , Jan. 17 2022
0

Valongo está de volta ...

segunda , Jan. 17 2022
0

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
61616

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
30142

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
24443

Preparação Seleção ...

sábado , Out. 08 2016
1554

Flávio Rodrigues e ...

terça , Jul. 07 2015
1938

SUB 17 - 1º Centro de ...

quarta , Abr. 24 2019
1800

3 Cabeleireiro Inicial

Terronia

imgS620I220766T20180510231015

Conquistou um Campeonato do Mundo e um Campeonato da Europa por Portugal, três Taças CERS, uma pelo FC Porto e duas pelo OC Barcelos, mas ficou por conquistar a Liga Europeia com a camisola dos dragões, o seu clube do coração.
Reinaldo Ventura, que fez parte da hegemonia do FC Porto em Portugal na primeira década do século XXI, esteve por diversas vezes perto de conquistar a Europa vestido de azul e branco, mas ficou uma brecha no currículo.
«É o título que nunca consegui conquistar. Dominámos a nível nacional tantos e tantos anos e a nível europeu faltava sempre qualquer coisa, umas vezes falta de fortuna, outras falta de qualidade e algumas vezes por outros fatores. Mas a verdade é que nunca ganhei», lamenta o internacional português, hoje ao serviço do Viareggio, em declarações ao zerozero.pt.
Reinaldo Ventura teve por oito vezes a possibilidade de conquistar a Liga Europeia. Cinco delas foi contra o Barcelona (1997, 2000, 2004, 2005 e 2014), tendo perdido uma dessas cinco finais nas grandes penalidades (1997) e outra no prolongamento (2000). O Igualada, em 1999, também impediu o FC Porto de ser campeão europeu nos penáltis, o Follonica, em 2006, venceu uma fase final que se realizou em forma de campeonato (FC Porto ficou em 2.º) e em 2013, o Benfica venceu os azuis e brancos no prolongamento no Dragão Caixa.
Nessa final, que terminou com um 6-5 após prolongamento favorável às águias, Reinaldo Ventura apontou três golos que foram insuficientes para o FC Porto alcançar o título europeu pela terceira vez na história. O ex-número 66 dos dragões já não vai a tempo de cumprir o sonho de ser campeão europeu pelo clube do coração, mas agora torce do lado de fora e acredita que a final de 2013 nem sequer será lembrada este fim de semana pelos três jogadores que ainda permanecem no plantel: Nélson Filipe, Jorge Silva e Hélder Nunes.
«Acho que nem se vão lembrar desse momento. Vão pensar única e exclusivamente nesta em que poderão ganhar e não no que é passado. Conheço aquela casa como poucos e sei que se pensa sempre no que se pode vencer amanhã e não no que se poderia ter ganho», garante Reinaldo Ventura.
«A nível pessoal penso que essa final de 2013 foi uma oportunidade perdida porque depois de eliminarmos a equipa mais forte [Valdagno] não conseguimos vencer a final. Mas nada mais do que isso. Gostaria de ter ganho essa final, como algumas que tivemos oportunidade, mas sinceramente a final no Pavilhão Rosa Mota [contra o Barcelona em 2000] foi a que me marcou mais. Talvez pela idade, pela envolvência...Foi um momento marcante na minha carreira», recordou.
Para poder chegar à final, o FC Porto terá que derrotar nas meias-finais o Sporting, orientado pelo amigo Paulo Freitas, treinador responsável pela transferência para o OC Barcelos após a saída dos dragões. O vencedor desta eliminatória irá defrontar na final, agendada para domingo, a equipa que sair por cima do duelo entre o Barcelona e o Réus.
«A minha experiência diz que nestes momentos não há candidatos. O nível das equipas que estão a participar leva a que o fator casa não seja um fator fundamental, embora seja uma pequena vantagem. Estes jogos normalmente decidem-se nos pormenores e no momento da equipa nesse dia. Nada do que vem de trás importa», garantiu, deixando, por fim, um conselho ao plantel do FC Porto.
«Não se deixem influenciar pelo ruído exterior e galvanizem-se com o apoio de que vos quer bem. É dentro do campo que se vence».

Fonte- www.zero.zero.pt