a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Resumo OC Barcelos 4 AD ...

segunda , Fev. 18 2019
94

Resumo SCRA Saint Omer- ...

segunda , Fev. 18 2019
26

2.ª D- Tigres de garras ...

segunda , Fev. 18 2019
129

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
56360

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
24292

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
19426

Hugo Gaidão, põem um ...

sexta , maio 13 2016
2631

Itália vence Portugal e ...

quinta , Ago. 28 2014
2258

Nuno Araújo de regresso ...

quinta , Mar. 29 2018
1237

Tui Na

imageHeldeasdas

<Benfica, FC Porto, Oliveirense e Sporting são os emblemas portugueses entre os fundadores da Associação Europeia de Clubes, que pretende organizar as provas europeias. Uma nova ordem na modalidade pode nascer no dia 8 de novembro, em Barcelona.

Clubes de Portugal, Espanha, Itália e França querem mudanças nas provas europeias e estão a lançar as bases de um futuro diferente, com a intenção de tomar as rédeas das competições que lhes possam trazer retorno financeiro e não apenas prestígio, como até aqui.

Já aconteceu no andebol, em que os clubes se tornaram parceiros da federação europeia (EHF) na organização das provas, passando a obter receitas, e no basquetebol, no qual se vive um conflito de quase 20 anos entre a privada Euroliga e a FIBA, para além do exemplo maior que vem do futebol, em que os G14 deram origem à Associação Europeia de Clubes, com a reivindicação de direitos e receitas a levar a UEFA a distribuir sempre mais milhões.

"Partindo da ideia de uma Superliga, à semelhança do basquetebol com a Euroliga, disputada por uma elite de clubes abastados, os grandes emblemas avançaram para a criação de uma Associação Europeia de Clubes"

Partindo da ideia de uma Superliga, à semelhança do basquetebol com a Euroliga, disputada por uma elite de clubes abastados, os grandes emblemas avançaram para a criação de uma Associação Europeia de Clubes, com o objetivo de um dia virem a ser responsáveis pela organização da Liga Europeia e Taça CERS (Taça WS Europe a partir de 2018/19). Depois de uma reunião em junho, em Barcelona - onde ficará sediada a nova associação -, abandonaram, por enquanto, o projeto de uma liga fechada, focando-se no novo organismo, que lutará por ser representado na federação internacional (World Skate) e federação europeia (World Skate Europe) e mais tarde tentará organizar as provas europeias de clubes, ficando a World Skate Europe apenas com competições de seleções.

"O objetivo final é a organização da Liga Europeia e da Taça CERS", diz Rui Carvalho, presidente da Associação Nacional de Clubes de Patinagem.

"Queremos fazer as coisas passo a passo. Não queremos conflitos. Queremos ajudar e participar na evolução da modalidade. A associação europeia está em fase de criação de estatutos e no dia 8 de novembro deverá ser assinada a escritura, formalizando o organismo, cuja base será em Barcelona por ser uma localização mais central. Depois vamos trabalhar para que as federações internacional e europeia nos reconheçam. Não queremos direito de voto, queremos ser consultados, poder falar e explicar as nossas ideias, sendo o objetivo final a organização da Liga Europeia e Taça CERS", explica Rui Carvalho, presidente da Associação Portuguesa de Clubes de Patinagem, fundadora da futura associação europeia, ao lado da congénere espanhola, Benfica, FC Porto, Oliveirense, Sporting (Portugal), Barcelona, Liceo, Noia, Reus (Espanha), Forte dei Marmi (Itália) e La Vendènne (França).

"Posteriormente, trabalhando com sponsors e direitos televisivos, queremos ter um bom prize money"

"Esses são os clubes fundadores, mas queremos alargar o leque a mais. A ideia é que as provas sejam sustentáveis, que os clubes paguem uma inscrição e nada mais durante a época, que numa fase inicial possam ter receitas que cubram as despesas. Posteriormente, trabalhando com sponsors e direitos televisivos, queremos ter um bom prize money", adiantou Rui Carvalho, acrescentando: "Queremos ainda promover torneios de formação fora de Portugal, Espanha e Itália, com grandes emblemas, que despertem a atenção dos mais jovens."

Campeão vai ganhar 10 mil euros

Para os clubes, competir nas provas europeias significa encargos com taxas de inscrição, arbitragem e deslocações sem contrapartidas financeiras. Agora, pela primeira vez, a partir de 2018/19 e por iniciativa do World Skate Europe, haverá prize money para os finalistas de três competições.

Na Liga Europeia, o vencedor ganhará 10 mil euros e o vice-campeão cinco mil; na Taça WS Europe, o vencedor tem direito a 7,5 mil euros e o segundo classificado a 2,5. Na Taça Europeia feminina, o campeão ganha três mil euros e o vice-campeão mil.>

Foto±fonte: Jornal "O Jogo"