a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

  • Hot
  • Top
  • Outras

Filipe Bernardo vem para ...

sábado , Jul. 20 2019
23

ED Viana com novidades

sexta , Jul. 19 2019
229

Bruno Mouta no CENAP

sexta , Jul. 19 2019
235

Hóquei fica mais pobre

segunda , Jul. 30 2018
57000

Patinagem reconhecida ...

segunda , Nov. 09 2015
24971

CM Feminino- Portugal ...

sábado , Out. 01 2016
19921

Raul Meca (RAHC): ...

sexta , Mar. 31 2017
746

2.ª D- Norte Juvenil ...

domingo , Nov. 30 2014
1804

Miguel Oliveira renova ...

segunda , Jul. 31 2017
699

interioresinteriores

sarzana tomar cers 2 grande

O SC Tomar foi até Itália onde defrontou o Hockey Sarzana, em jogo referente à 1.ª mão dos oitavos de final da Taça “Europe Cup”, e saiu derrotada por 6-2, comprometendo a sua continuidade na prova.
Jogo onde a formação tomarense entrou melhor e os dois minutos inaugurou o marcador por intermédio de Guilherme Silva. Esse golo catapultou a equipa de Jorge Godinho para um período de excelente hóquei num recinto de dimensões reduzidas e praticamente silenciou o Pavilhão do Sarzana.
A controlar todas a incidências de jogo, teve várias oportunidades para aumentar a vantagem, mas aos 17 minutos “Cicco” Rossi empataria a partida. A resposta leonina foi rápida e Pedro Martins colocou novamente o SC Tomar a vencer, logo no minuto seguinte.
Mas não há bela sem senão e os últimos minutos da primeira parte foram desastrosos, em termos defensivos, para a formação lusa que viu o Sarzana chegar ao 4-2 no espaço de três minutos. Francisco Ipinazar e um bis de Danillo Rampulla, colocaram a formação local a vencer por 4-2 quando se atingiu o intervalo.
Se a parte final do primeiro tempo tinha sido de “terror” para a formação sportinguista, o filme, logo ao inicio da etapa complementar repetiu-se. Andrea Perroni aos 2 minutos e “Cicco” Rossi aos 4 minutos colocaram o placard em 6-2.
O SC Tomar fez-se à vida, mas não teve arte nem engenho para conseguir reduzir. Sem soluções, com um jogo muitas vezes errático e sem objectividade, e a abusar da meia distância, agravada pela ineficácia nas bolas paradas, criaram o cenário ideal para esta derrota.
Tres bolas paradas (João Sardo por duas vezes de LD e Hernâni Diniz de GP) não concretizadas, penalizaram o conjunto luso, que sai deste confronto, com uma derrota pesada e comprometedora no que toca à continuidade na prova.

Foto- Gabriel Baldi