a c e b o o k
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

pablo alvarez 2 thumbnail

O Benfica venceu o Sporting por 4-2, no jogo 1 da final do play-off do Campeonato Nacional.

Carregado pelo apoio fervoroso dos Benfiquistas que encheram o Pavilhão Fidelidade, o Benfica venceu o Sporting por 4-2 nesta quinta-feira, 8 de junho, no jogo 1 da final do play-off do Campeonato Nacional. Um duelo que ficou decidido após prolongamento, período em que Carlos Nicolía apontou dois golos de livre direto. Antes, Roberto Di Benedetto e Pablo Álvarez já tinham marcado para as águias.
As oportunidades de golo junto das balizas surgiram nos primeiros segundos do encontro, mas paulatinamente o Benfica controlou o jogo e assumiu maior preponderância junto do último reduto do oponente.

Foi precisamente numa jogada de ataque planeado que um lance individual de Roberto Di Benedetto permitiu abrir o marcador (1-0), graças a um excelente trabalho do internacional francês, culminado da melhor forma e com igual qualidade na finalização, aos 5'.

O Benfica, confiante, beneficiou nos minutos seguintes de dois livres diretos, ambos devido aos cartões azuis exibidos a Toni Pérez e Gonzalo Platero. Lucas Ordoñez e Carlos Nicolía permitiram as intervenções de Ângelo Girão.

Porém, as águias aproveitaram da melhor forma o segundo período em powerplay e, em superioridade numérica, Pablo Álvarez emendou ao segundo poste o remate de Carlos Nicolía, ampliando a vantagem aos 10' (2-0), para gáudio dos fervorosos Benfiquistas que encheram o Pavilhão Fidelidade.

Sempre mais perigoso junto da baliza contrária, o Benfica acumulou oportunidades de golo, grande parte delas anuladas por Ângelo Girão.

No entanto, os últimos dois minutos da primeira parte levaram ao golo dos forasteiros. Primeiro, aos 23', foi exibido o cartão azul a Roberto Di Benedetto, deixando as águias em inferioridade numérica, facto aproveitado por Alessandro Verona aos 25', que reduziu a diferença no marcador (2-1) em cima do intervalo.

No início da segunda parte o Benfica voltou a mostrar-se perigoso, com Pablo Álvarez a tornar-se protagonista em duas oportunidades de golo. Porém, entre os minutos 36 e 38 coube a Pedro Henriques exibir-se em grande nível.

Roberto Di Benedetto, aos 43', esteve perto do terceiro golo para as águias, num lance de dois contra um conduzido por Carlos Nicolía. Os visitantes acabaram por igualar aos 45', por Gonzalo Romero (2-2). Na resposta, segundos depois, Nil Roca atirou a bola ao poste.

A três minutos do final do duelo, aos 47', assistiu-se ao lance de maior polémica: Gonçalo Pinto atirou a bola para a baliza do Sporting, o guarda-redes contrário viu a mesma bater-lhe nas costas e seguir para a linha de baliza. Um dos árbitros assinalou golo, mas o outro deu indicação contrária, a qual prevaleceu.

Até ao final do tempo regulamentar o marcador não sofreu alterações e o jogo seguiu para 10 minutos de prolongamento.

Se os primeiros cinco minutos do período adicional só tiveram um momento de perigo, aos 54', com uma arrancada de Carlos Nicolía, os derradeiros foram decisivos.

Beneficiando de um livre direto, aos 57', devido à 10.ª falta dos forasteiros, Carlos Nicolía disparou forte e desfez a igualdade (3-2), levando ao rubro a plateia da Luz.

Galvanizados, os jogadores do Benfica cerraram fileiras e, dois minutos depois, aos 59', Carlos Nicolía voltou a mostrar-se letal na conversão de um livre direto, após simulação e cartão azul para Matías Platero, fechando as contas do encontro (4-2).

Fonte/Foto- SL Benfica

24